VERBETES


A | B | C | D | E | F | G | H | I | K | L | M | N | O | P | R | S | T | U | V

BALANCED SCORECARD (THE)


Robert Kaplan, professor de Harvard, é considerado o "pai" do conceito, num artigo escrito, em 1992, para a Harvard Business Review, em co-autoria com David Norton, presidente da consultora Renaissance Strategy Group. Ambos defenderam que as empresas não devem medir, apenas, a sua performance financeira. A complexidade dos negócios obriga os gestores a estarem atentos a vários indicadores em simultâneo (tal como se estivessem no cockpit de um avião). Os quatro principais elementos que devem ser balanceados são: a percepção dos consumidores; a perspectiva interna; a inovação e a aprendizagem; e a abordagem financeira.

BIBLIOGRAFIA
The Balanced Scorecard, R. Kaplan e D. Norton (Harvard Business School Press, 1996).

Benchmarking


Segundo a International Benchmarking Clearinghouse (IBC), o benchmarking é um processo sistemático e contínuo de medida e comparação das práticas de uma organização com as das líderes mundiais, no sentido de obter informações que a possam ajudar a melhorar o seu nível de desempenho. Ou seja, é uma técnica de observação e adaptação das melhores práticas das melhores empresas, que, no entanto, não deve ser confundida com a espionagem industrial ou com a cópia a crítica. A Rank Xerox é considerada a empresa pioneira na aplicação da técnica de benchmarking.

BIBLIOGRAFIA
The Benchmarking Book, Michael Spendolini (Amacom, 1992); Strategic Benchmarking, Gregory Watson (J.Wiley & Sons,1993);Benchmarking for Best Pratices,Christopher Bogan e Michael English (McGraw-Hill, 1994); The Benchmarking Implementation Guide, James Harrington (McGraw-Hill, 1996).

Big Bang


O nascimento dos mercados financeiros globalizados.

O fenômeno, que passou a ser chamado de Big Bang (grande ex­plosão) , também aboliu as restrições existentes no mer­cado interno inglês e liberou a adoção de operações totalmente eletrônicas em seu pregão de mais de 100 anos de idade.

Desde então, a comercialização desregulamentada tornou os mercados mais eficientes, fluentes e popu­lares em todo o mundo. O valor das ações interna­cionais negociadas na Bolsa de Londres totaliza hoje mais de £ 1 trilhão (US$ 1,6 trilhão) por ano.

Bionomia (bionomics)


Economia vista como ecossistema e não como máquina.

A bionomia é uma noção disseminada que abrange uma série de novos conceitos econômicos, inclusive a economia evolutiva e a teoria da complexidade. Pro­posta pelo Bionomics Institute, com sede em San Ra­fael, na Califórnia, EUA, sua ideia central é de que pessoas, empresas e mercados vivem em uma com­plexa rede capaz de se adaptar às circunstâncias na qual os avanços tecnológicos são análogos à evolu­ção biológica.

Bloomberg


O ícone da informação em tempo real.

Uma rede eletrônica que fornecia dados instantaneamente, fazia análises complexas dos mercados do mundo todo e transformou-se em uma gigante de mídia com um volume de vendas de US$ 1 bilhão por ano e está estendendo seus tentáculos para a televi­são, o rádio e a Internet.

BPO - Business Process Outsourcing


BPO - Business Process Outsourcing é a terceirização das áreas de apoio de uma empresa. Entre elas, serviços de call center, arquivamento e gestão de documentos, administração de atividades de recursos humanos, finanças e contabilidade.

Brand-loyalty


Fidelidade de marca. 

Branded Entertainment


Expressão que significa entretenimento de marcas. Nova tendência da publicidade mundial, em que as empresas pagam para que seus produtos sejam incorporados à programação da TV, ou seja, à trama.

BREAK-EVEN


É um modo simples e eficaz de medir a rentabilidade (ou prejuízo) de uma empresa ou de uma operação financeira. Permite fazer simulações alterando as variáveis de cálculo. O objectivo desta análise é a determinação do break-even point (à letra, ponto morto das vendas), no qual o valor das receitas da empresa passa a ser igual aos seus custos totais (somatório dos custos fixos e variáveis). Logo, este será o ponto de equilíbrio em que a empresa nem perde nem ganha dinheiro. Acima do break-even point a empresa terá lucros e abaixo dele terá prejuízos. Outro conceito relevante é o da margem de contribuição (ponto em que as receitas igualam os custos variáveis).

BIBLIOGRAFIA
Principies of Corporate Finance, R. Brealey e S. Myers (McGraw-Hill, 1988); Break-Even
Analysis, M. Schweitzer, E. Trossmann e G. Lawson (John Wiley & Sons, 1992).

BRICs


Designação adoptada pelo famoso banco de investimentos Goldman Sachs relativa aos quatro países emergentes do século XXI: Brasil, Rússia, Índia e China. Esta ordem das letras deve ser lida de trás para a frente em termos de grau de importância. Segundo a Goldman Sachs, a China será a maior potência económica do mundo (em PIB em paridade de poder de compra), em 2020, pondo fim ao longo reinado da economia norte-americana. Alguns analistas defendem que essa ascensão ao topo se realizará mais cedo.

BIBLIOGRAFIA
«Dreaming with BRICs:The Path to 2050», Goldman Sachs-Global Economic Papers, n°99 (Goldman Sachs, 2003); The Chinese Century, Oded Shenkar (Wharton School Publishing, 2004); China Inc. Ted Fishman (Scribner, 2005); China's Global Reach: markets, multinationals, and globalization, Zhibin Gu (Haworth Press, Fali 2005); Rising ElephantThe Crowing Clash with India over white-collar jobs and its meaning for America and the world, Ashutosh Sheshabalaya (Mcmillan India, 2005); Made in China, Zhibin Gu (Centro Atlântico, 2005); Made in India, Ashutosh Sheshabalaya (Centro Atlântico, 2006).

Bug do milênio (millenium bug)


Obsolescência não-planejada.

Nos primórdios da era da computação, isto é, por vol­ta de 20 anos atrás, a memória era cara. Sendo assim, os programadores resolveram que poderiam econo­mizar um ou dois bytes usando somente os dois últi­mos dígitos do ano para fazer cálculos envolvendo datas. Ninguém imaginou que os programas ainda estariam sendo utilizados quando 99 passasse a ser 00, ou que o problema que estava sendo criado seria um assunto digno de figurar nas capas de revistas duas décadas mais tarde.

BUSINESS PLAN


O plano de negócio tornou-se um documento standard imprescindível para quem anseia criar ou expandir um negócio. Serve fundamentalmente para se obter financiamento externo (nomeadamente bancário ou de capital de risco) ou para fixar objectivos internos de negócio (como, por exemplo, lançamento de novos produtos, entrada em novos mercados, etc). Tipicamente, um business plan segue sete passos: o sumário executivo (ou resumo); a apresentação da empresa; a análise do produto ou serviço; a análise do mercado; a análise financeira e o perfil da equipa de gestão.

BIBLIOGRAFIA
The Business Plan Workbook, G. Cooper (Prentice-Hall, 1989); How to Write a Great
Business Plan,W.Sahlman (Harvard Business Review,1997).