VERBETES


A | B | C | D | E | F | G | H | I | K | L | M | N | O | P | R | S | T | U | V

ACTIVITY BASED COSTING


O método ABC (activity based costing) é uma técnica de contabilidade analítica, nascida no final dos anos 1980. Permite determinar quais os custos indirectos a imputar a um produto ou serviço, consoante o tipo de recursos que consome. Os sistemas tradicionais de contabilidade analítica repartem proporcionalmente os custos indirectos segundo critérios, como o número de horas de trabalho manual, o número de horas por máquina ou a área ocupada por cada centro de custo. No método ABC, os critérios de repartição destes custos diferem consoante o seu tipo de actividade.

BIBLIOGRAFIA
Implementing Activity Based Costing, Robin Cooper e Robert Kaplan (HBS Press, 1992); Comptabilité Analytique et de Gestion, Anne-Marie Reiser (Eska, 1994); Cost & Effect, R. Cooper e R. Kaplan (HBS Press, 1998).

Adhocracia (adhocracy)


Organização sem estrutura.

As adhocracias vêm sendo usadas há muito tempo por empresas criativas -estúdios de cinema e agências de publicidade, por exemplo- para produzir um fluxo constante de produtos diferenciados. Elas são uma imagem invertida das burocracias que construíram a maior parte das organizações hoje existentes: em vez de regras rígidas, possuem uma coleção de metas co­muns, em constante evolução.

As empresas de software recém-formadas são um exem­plo clássico de adhocracia. Em vez de tarefas e funções fixas, todos fazem tudo que precisa ser feito. As redes de computadores contribuem para a existência da adho­cracia ao permitir que as pessoas troquem informações continuamente e se coordenem de maneira informal.

AdServer


Peças com poucas e breves imagens, de baixa ou média qualidade, sem nenhuma interação ou engajamento do usuário, permitindo apenas o clique. Geralmente, com baixo custo de produção e não mais do que 30kb de peso.

Aliados


Termo de marketing de guerra usado para indicar empresas concorrentes que se unem temporariamente com a finalidade de intensificar forças para lutar contra uma ameaça maior.

Amostragem


Ato ou processo de seleção e escolha dos elementos que irão constituir uma amostra e que serão considerados, para efeito de pesquisa, como representantes do conjunto da população à qual pertencem. Existem vários métodos de amostragem, empregados em pesquisas de mídia de marketing, de opinião pública etc.

Os mais freqüentes são:

  1.  Amostragem aleatória:designa a amostragem feito ao acaso. Por esse processo, cada elemento da população tem igual probabilidade de ser escolhido para integrar a amostra.
    Diz-se também amostragem simples, acidental, ao acaso ou casual ou probabilística.
  2. Amostragem estratificada: a população é dividida em subclasses, dentre as quais são recolhidos elementos para formar a amostra. Determinam-se previamente quantas pessoas serão entrevistadas em cada sexo, idade, classe social e uso/ posse de determinados produtos ou marcas. Diz-se também amostragem por cotas.
  3. Amostragem por estágios múltiplos: chega-se à amostra definitiva após vários estágios de seleção o mesmo tipo ou tipos diferentes de amostragem.

Amostragem forçada


Promoção de vendas que visa levar consumidores potencias a compra e a experimentar um novo produto, mediante oferecimento de vantagens especiais.

Análise de valor


Método de redução de custo de produção de um produto através do exame minucioso de seus componentes, procurando saber quais deles podem ser reprojetados, padronizados  ou fabricados por um custo mais baixo. A análise de valor foi criada na General Electric, em 1948.

Análise SWOT


Criada por Kenneth Andrews e Roland Christensen, professores da Harvard Business School, e posteriormente aplicada por numerosos acadêmicos, a Análise SWOT estuda a competitividade de uma organização segundo quatro variáveis: strengths (forças), weaknesses (fraquezas), opportunities (oportunidades) e threats (ameaças). Através desta metodologia, poderá fazer-se a inventariação das forças e fraquezas da empresa, das oportunidades e ameaças do meio envolvente e do grau de adequação entre elas. Quando os pontos fortes de uma organização estão alinhados com os factores críticos de sucesso para satisfazer as oportunidades de mercado, a empresa será, por certo, competitiva no longo prazo.

BIBLIOGRAFIA
The Concept of Corporate Strategy, Kenneth Andrews (Irwin, 1971); Field Guide to Strategy -A Glossary of Essencial Tools and Concepts of Today Managers, Tim Hindle e Margaret Lawrence (Harvard Business School Press, 1994).

Aprendizado just-in-time (just-in-time learning)


Conhecimen­to na "ponta dos dedos".

Em vez de passar meses em salas de aula desinteres­santes, os profissionais podem usar as redes e os ban­cos de dados inteligentes para encontrar respostas para perguntas e resolver problemas à medida que surgem. 

A educação just-in-time signifi­ca atualização constante dos conhecimentos profissionais, suplementando, e às vezes substituindo, as escolas tra­dicionais. A desvantagem é a perda da diversão escolar.

Assessment


Modelo de avaliação individual minimiza a subjetividade nas promoções, recrutamentos internos, processos de sucessão, fusões e aquisições. Por meio de questionários e entrevistas, são identificados os perfis e os gaps de competências da organização. O resultado serve para direcionar os planos de treinamento e desenvolvimento.

Assinaturas digitais (digital signatures)


A "corrente sanguí­nea" do comércio eletrônico e da cidadania.

A assinatura digital é a ferramenta-chave para trans­formar o espaço cibernético em um lugar onde as pes­soas podem desenvolver outras atividades além da caça de informações. Ela estabelece a identidade de quem assinou um documento digital e pode ser utilizada para determinar responsabilidade legal. E, diferentemen­te das assinaturas do mundo real, ela também é capaz de estabelecer a autenticidade daquilo a que estiver ligada, criando um selo a prova de fraudes.

Diversos governos, da Alemanha ao Estado de Utah nos EUA, conferiram à assinatura digital a mesma con­dição legal da assinatura no papel.

Associação de marca


Fenômeno pelo qual o consumidor associa (conscientemente ou não) determinada marca de produto à satisfação de algum desejo. Em inglês, brand-association.

AT&T, divisão da


O começo do fim dos monopólios de tele­comunicações e o primeiro passo para a existência de ver­dadeiras redes mundiais de dados.

Em janeiro de 1994, um acordo antitruste foi negocia­do pelo juiz federal Harold Greene, dos EUA, forçan­do aquela que era então a maior companhia do mun­do a se subdividir em sete pequenas telefônicas, as Baby Bells, e a abrir o mercado norte-americano de telefo­nia de longa distância para concorrentes.

A divisão da AT&T reflete uma mudança fundamen­tal na maneira de pensar sobre a natureza das teleco­municações. Companhias telefônicas tradicionais, que usavam cabos de cobre, eram consideradas monopó­lios “naturais”, donas de insuperáveis economias de escala. Mas os avanços tecnológicos transformaram as telecomunicações em um mercado mundial fluen­te e cada vez maior.

Ataque


Termo do marketing de guerra usado para designar as investidas a uma determinada empresa com o objetivo de minar suas forças e diminuir sua participação no mercado. Os ataques podem partir de concorrentes, do governo(represália legais)e do próprio mercado(crises).

Ativos intangíveis (intangible assets)


Coisas de valor que não vão cair em seu pé.

Os ativos intangíveis estão entre os maiores quebra- cabeças da nova economia. Marca, pesquisa, experiên­cia e conhecimento sobre como as coisas devem ser feitas representam uma fatia cada vez maior do valor de uma companhia, mas geralmente não são incluí­dos nos números auditados (aqueles que mostram supostamente qual é tal valor).

Alguns analistas dizem que esse paradoxo explica as surpreendentes altas que algumas bolsas de valores vêm registrando: os mercados estão valorizando ativos que não são captados pela contabilidade convencional. 

Audímetro


Criado na década de 30, inicialmente para as pesquisas. Existem aparelhos mais recentes, com a mesma utilidade, como o tevêmetro, marca registrada de uma agência brasileira, é um aparelho para medição de audiências de programas de rádio e televisão. É composto por um pequeno dispositivo eletrônico que registra em fita, de minuto a minuto, as emissoras sintonizadas, permitindo determinar a audiência de cada programa. Fornece dados objetivos, mas implica uma desvantagem que provoca certa margem de erro: o fato de o aparelho estar ligado não significa. Necessariamente, audiência

Auditagem de varejo


Monitoramento contínuo de uma amostra representativa de varejos. Consiste em buscar, por meio de um serviço de pesquisa ou de análise especial, informações precisas relativas ao comportamento do produto no varejo, verificando-se as vendas diretamente nos pontos-de-vendas, assim como os estoques e os preços ao consumidor. Também conhecida como Nielsen, que é o nome da empresa líder mundial nessa técnica.Em inglês, store audit