Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

A MISTURA DE COMPRAS ONLINE E OFFLINE DA CHINESA ALIBABA


Edicão: 139 - 02/04/2018

A gigante do e-commerce chinês, Alibaba, intensificou sua decisão de misturar compras online e offline com a inaugu­ração de três novos supermercados em Pequim e Xangai, como parte de sua estratégia de "varejo novo".

Dentro desses pontos de venda - chamados de lojas Hema - os clientes podem fazer compras, jantar e encomendar produtos para entrega de seus celulares e usar o Alipay para fazer pagamentos.   Os usuários se cadastram para uma assinatura da Hema através de suas contas Taobao ou Alipay.

As lojas se parecem com su­permercado de bairro normal, mas com tecnologias de e-commerce, com itens digitalizados mostrando informações do produto e preço. "Nós acreditamos que o futuro do New Retail será uma integração harmoniosa de online e offline, e Hema é um excelente exemplo dessa evolução que está ocorrendo", disse Daniel Zhang, CEO do Grupo Alibaba. As lojas Hema atualmente são 13, em Xangai, Pequim e Ningbo, e atendem clientes localizados dentro de um raio de 3 quilômetros para garantir prazos de entrega mais curtos. "A integração de super­mercados, empresas de serviços alimentares e restaurantes com novas tecnologias e comércio eletrônico formaram o embrião do varejo novo (online-to-off)", disse Julia Pan, analista da UOB Kay Hian, empresa de consultoria de varejo.

A ideia dos players de comércio eletrônico que se deslocam para lojas físicas na China não é nova. Mais notadamente, a Amazon, nos EUA, comprou por US $ 13,7 bilhões as 600 lojas de supermercado premium Whole Foods, começando a operá-las em setembro passado.

 

Fontes: Gôndola, The Gardian, eMarketer, HSM.