Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

O LUXO GALÁCTICO


25/04/2008
    Para alguns especialistas do segmento de luxo, o que é essencial perceber é que inexiste "um consumidor de bens de luxo" mas alguns agrupamentos homogêneos, consoantes seus principais porquês de compra: Os utilitários (minoria, adquire algum bem de luxo pela sua performance), os desfrutadores (os que pretendem premiar seus sentidos. São focados no prazer que eles próprios podem auferir); auto-indulgentes (a gratificação dos bens de luxo se traduz muito mais por uma premiação psicológica) e finalmente os Exibidos (adquirem produtos de luxo pela capacidade de irradiar uma aura de riqueza e sucesso).

    A busca pelo raro, pela diferenciação, pela exclusividade está enraizada no DNA da espécie humana. Mas para os consumidores do luxo galáctico o caminho direciona para ostentação, como observa o insuspeito Adam Smith "a principal fruição da riqueza para alguns consiste em poder exibi-la. Sinais de opulência que ninguém mais pode ter a não ser eles mesmos". 

    E sinais de opulência é que não faltam no segmento de aviões pessoais,  que atualmente estão mais para verdadeiros palácios. Depois de desembolsar de US$ 50 milhões a US$ 200 milhões em um novo jato, os super-ricos querem uma decoração compatível. Os fornecedores de interiores adaptados, chamados de "centros de equipamento", estão sobrecarregados de pedidos para vários anos. As firmas gastam meses desenhando e instalando os interiores a preços compatíveis com o custo das próprias aeronaves. Tetos dourados, gabinetes de madeira exótica e estantes de madrepérola são alguns dos luxos requisitados. Alguns fornecedores desenham as porcelanas, cristais e pratarias usadas a bordo, e outros instalam sistemas de defesa antimíssil no avião.

    A Greenpoint, empresa especializada em interiores dos novos jatos executivos da Boeing 737, conseguiu US$ 100 milhões em novos contratos desde o começo do ano e já negocia com um cliente que receberá um avião em 2014. Para se ter uma idéia, o príncipe Alwaleed bin Talal, da Arábia Saudita, encomendou um superjumbo Airbus A380, maior avião comercial do mundo, no valor de US$ 300 milhões. O interior da aeronave deve custar pelo menos US$ 200 milhões e levar até dois anos para ser concluído.