Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

MERCADO GRISALHO


28/04/2005

   
E público e notório a busca das empresas por segmentos ou nichos cada vez mais novos, esquecendo-se elas das pessoas com mais de 50 anos. Pode parecer preconceito, mas na verdade trata-se da velha "miopia de marketing".
    Em termos de Brasil, segundo o Censo Demográfico 2000, 16% da população tem mais de 50 anos, especificamente falando, entre 50 e 69 anos, são 12% o que equivale a 20,8 milhões numa população de 174 milhões de pessoas. 
    A partir dos anos 90, o país entrou numa fase irreversível de envelhecimento, similar à Europa: os jovens até 15 anos saiu de 41,8% em 1950 para 28,6% em 2000; a população jovem-adulta, de 15 a 64 anos, saiu de 55,7% para 66% e a população idosa, acima de 66 anos, saiu de 2,4% em 1950 para 5,4% em 2000; sendo que, a população com 60 anos e mais, subiu de 6,4% em 1981, foi para 8%  em 1993, chegando a 9,6% em 2003. A concentração de idosos por região é em 1o a Região Sudeste com 10,5%, em 2o o Sul com 10,4%, em 3o o Nordeste com 9,2%, em 4o o Centro-Oeste com 7,4% e em 5o o Norte urbano com 6%. 
    A geração norte-americana dos baby-boomers - nascidos entre 1945 e 1955 - está chegando aos 60 anos e, segundo as estatísticas, têm pouca coisa a fazer e muito dinheiro para gastar, cerca de US$750 bilhões. Eles representam 26% da população norte-americana e 77% do poder de consumo segundo a revista CMO - Chief Marketing Officer. Eles consomem 57% dos produtos de higiene pessoal, 67% dos medicamentos vendidos sob receita médica e 61% dos remédios sem receita, 57% das apólices de seguro-saúde, 40% de todos os carros 0Km e 50% dos livros, revistas e jornais vendidos nos EUA. 
    Diferente da visão da grande maioria que foca o "adulto com mais de 50 anos de espírito jovem", o conceito deve ser mais amplo, deve levar em consideração as múltiplas mudanças ocorridas na sociedade nas últimas décadas. Este público não quer reconquistar a juventude e sim mantê-la, porque não a perdeu. É uma completa reformulação de valores, antes a tríade: emoção, beleza e sensualidade permeavam os apelos das comunicações de massa, hoje, eles mudaram para: tempo, saúde, sociabilidade e convivência.