Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

FALEM MAL, MAS FALEM DO FACEBOOK


23/05/2011

Nem tudo são flores no mercado digital. O crescimento meteórico das redes sociais, impulsionado pelo Facebook, pode gerar a tão temida bolha na Bolsa de Valores. É o que acredita o CEO do Google, Eric Schmidt. Em 2011, o lucro do Facebook deve passar de US$ 2 bilhões, 25 vezes menos que seu valor de mercado atual, avaliado em US$ 50 bilhões. A discrepância, para Schmidt, é a justificativa pra uma possível bolha, fato que já aconteceu em 2000, quando o estouro dos sites provocou uma perda de US$ 5 trilhões no valor das empresas listadas.

Schmidt, porém, esquece que o próprio Google tem um valor de mercado 29 vezes maior que o lucro. O Facebook, hoje, tem mais de 600 milhões de usuários, que compartilham fotos, links e preferências, atraindo anunciantes e chegando a um faturamento publicitário de US$ 4,05 bilhões. E as polêmicas em torno do Facebook não param por aí. Christopher Poole, criador do 4Chan, acredita que é preciso haver espaços para participação anônima na rede, oposto do defendido por Mark Zuckerberg. No Facebook, só são aceitos usuários reais.

Segundo Poole, o anonimato permite às pessoas expor idéias e opiniões sem medo de fracassar. Baseado nisso, o 4Chan se tornou um dos fóruns mais populares e atrativos da internet. "Anonimato é autencidade", afirma. O Facebook tem uma área só para checar a veracidade das contas e não é possível criar páginas de protestos ou levantar bandeiras usando um pseudônimo. Desde que o Facebook fechou parceria com sites de notícias para que os usuários opinassem com seus próprios perfis, o número de reclamações diminuiu.