Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

DANÇA DAS CADEIRAS NO VAREJO


04/12/2009

          A consolidação financeira das classes C, D e E fez com quem marcas líderes do varejo nacional perdessem posições. Ao comprar o que antes não podiam, eles fizeram marcas de preços intermediários subirem na lista dos cinco mais vendidos em 128 categorias medidas pela Nielsen em pesquisa encomendada pela revista Super Varejo. É o caso do amaciante Ypê, que era o terceiro da lista em 2008 e pulou pra segundo em 2009, com preço a R$ 4,98 o frasco de dois litros. Já a marca líder, Confort, custa quase R$ 2 a mais. Mas, para o gerente de atendimento a varejista da Nielsen, Olegário Araújo, não basta apenas ter preço, é preciso ter bons atributos para entregar. 

          Categorias dominadas há 20 anos por um único fabricante agora tem novos líderes. É o caso do molho de tomate, onde a Pomorola liderava desde 1993, quando a Unilever comprou a Cica. Mas nesta quinta edição da pesquisa a novata Fugini, com menos de dez anos de mercado, passou à frente. "Começamos a conquistar o consumidor quando, em 2006, fomos umas das primeiras empresas a lançar molho de tomate em sachê, o que baixa o preço em 30% para o consumidor", afirma Auro Ninelli, um dos sócios da companhia. 

          No geral, a pesquisa mostra que o mercado brasileiro está passando por um processo de amadurecimento tardio, mas inevitável. "A segmentação, ou seja, o aumento da variedade e da competição em cada setor, é saudável tanto para o supermercadista quanto para o consumidor", diz Martinho Paiva Moreira, vice-presidente da Apas.