Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

CRESCIMENTO REAL E IMEDIATO?


15/08/2006

A taxa Selic caiu para 14,75% em julho de 2006, descontada a inflação projetada de 4,39%, a taxa de juro real cai para 9,9%. O que ainda é alto para os padrões mundiais, mas um fio de esperança para a economia brasileira.

O Brasil ainda lidera o ranking de taxas de juros real com 9,9%, seguido da Malásia com 9,3%, Cingapura com 7,1% e Hong Kong com 4,7%. Apesar do índice, o que se vê no dia-a-dia é que o juro continua alto na "ponta", isto, os juros cobrados pelos bancos chegam a 66% para as pessoas jurídicas e a 139% para as pessoas físicas.

O "spread" tem levado às instituições financeiras a baterem recordes e terem lucros cada vez mais maiores. O governo bem que tentou equilibrar o jogo pedindo que os bancos oficiais reduzissem as suas taxas, porém, o pedido foi em vão...