Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

BOAZINHA, PERO NON MUCHO.


06/07/2004

    A IBM montou uma força-tarefa e está prestando ajuda gratuita para as empresas públicas e privadas que desejem implantar o sistema operacional Linux - aquele do pingüim criado em 1991 pelo estudante finlandês Linus Torvalds, de arquitetura aberta e "rodável" em qualquer computador, de qualquer porte e que é distribuído gratuitamente.
    Abnegação? Pouco provável, a verdade é que a líder Microsoft vem colecionando, no decorrer dos anos, uma grande fortuna, um imenso share of market e uma imensa quantidade de opositores ao seu reinado. E a IBM, que não vende o Linux e nem o distribui, resolveu oferecer mais escolhas aos clientes que estão sendo "monopolizados e controlados", de acordo com James Stallings, gerente-geral do negócio Linux da IBM.
    Atualmente, a Microsoft vem em 1º com 70% de share, o Linux em 2º com 17%, o Unix em 3º com 4% e depois vem os outros com 9%. Ainda, o valor de mercado da Microsoft é de US$280 bilhões, enquanto que o da IBM é de US$146 bilhões. A Microsoft ganha US$90 por máquina vendida pela IBM, apenas no sistema operacional, isso representa cerca de 40% das vendas e 65% da receita operacional; com a adoção do Linux a empresa de Bill Gates vai sofrer um grande baque.
    Estima-se que em 2008, as vendas de servidores Linux alcancem os US$9,6bilhões contra os US$ 3,3 bilhões de 2003, enquanto que as de servidores Microsoft devem alcançar cerca de US$ 21,7 bilhões contra os atuais US$15,5 bilhões.