Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

As mulheres curtem mais !


17/01/2013

Atenção, homens: as mulheres invadiram o Facebook! Hoje, elas somam 57% dos usuários da rede social e gastam mais que o dobro do tempo dos homens navegando: três horas contra apenas uma, em média. Em um estudo da Oxygen Media e Lightspeed Research, 21% admitiram que se levantam durante a noite para verificar se receberam mensagens e 40% delas já se declaram viciadas. Mais do que procurar uma resposta para isso, é necessário compreender por que a auto-representação é mais importante para as mulheres que para os homens. Em célebres obras de arte vemos as mulheres como protagonistas de cenas "pedagógicas", que ensinavam o valor da maternidade, da castidade, da beleza e da passividade, para sugerir a conduta social desejada da mulher.

Hoje em dia, estar na moda, ser magra, bem-sucedida e boa mãe tornou-se uma exigência. Com a ajuda do photoshop, top models, estrelas de televisão e cantoras exibem nos meios de comunicação o êxito que conquistaram em todos os aspectos do sucesso - o que, na prática, nem sempre é verdade. Elas, em geral, são tão "irreais" quanto às obras de arte citadas. Com as redes sociais, pela primeira vez a mulher passa a se autorrepresentar, a produzir representações de si publicamente. Essa produção não está mais sob o domínio exclusivo dos homens, nem restrita a um grupo de mulheres como as artistas (atrizes, fotógrafas, cineastas, pintoras, escultoras etc.) ou as modelos. Essa "democratização" não é sinônimo do fim da competição estética e ética entre as mulheres, mas a ampliação do número de mulheres na disputa por visibilidade e poder. 

A mulher "hipermoderna" reivindica algo novo: o seu protagonismo público e sua "autenticidade". Deusas etéreas cedem espaço a mulheres que querem ser vistas como "reais": escovam os dentes, fazem caretas para a câmera, dirigem seu carro e não se importam em ser fotografadas em momentos que antes estariam à margem da esfera pública. Tanto que 42% das usuárias do Facebook admitem a publicação de fotos em que estejam embriagadas e 79% delas não veem problemas em expor fotos em que apareçam beijando outra pessoa. A regra é: quanto mais caseiro, "mais natural"; melhor. Há um estímulo para que as mulheres "se valorizem", busquem sua singularidade e não se baseiem mais em modelos inalcançáveis como as top models e outras famosas.

Leia na íntegra.