Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

ATITUDE CERTA


31/03/2006
     Em 2003, o banco de investimentos Goldman Sachs criou o termo BRIC - Brasil, Rússia, Índia e China para descrever as 4 economia emergentes mais promissoras do mundo.  
     Em seu relatório, a China poderá tornar-se a maior economia do planeta em 2041 e a Índia poderá ser a 3a economia em 2035 e que a soma dos PIB´s do BRIC poderão exceder a dos atuais países mais ricos do mundo.       
      Até agora, o PIB da Índia cresceu 5,7% ao ano nos últimos 23 anos e estima-se que em 2025 o PIB indiano vai representar 11% da economia global. Atualmente o PIB per capita da Índia é de US$620,0  ou seja, a Índia ainda é um país pobre, são 300 milhões de miseráveis (menos de US$1/dia) e 39% de analfabetos.  Porém, ao contrário da China que, basicamente fornece mão-de-obra barata, o forte investimento em educação transformou a Índia em celeiro de mão-de-obra qualificada e de baixo custo,  a Índia fornece "cérebros-de-obra". Ela tem um gasto por estudante de nível superior de 86,4% do PIB per capita, enquanto que o Brasil tem um gasto de 58,6% . 
     Hoje, a Índia é a estrela do capitalismo globalizado, referência mundial no setor de terceirização de TI e capital mundial dos serviços de call center outsourcing. Seu faturamento é de, aproximadamente, US$18 bilhões ou 60% do mercado global de serviços terceirizados de TI que movimenta cerca de US$30 bilhões .  Enquanto, a taxa de crescimento do setor de TI é em torno de 10% e 15% ao ano,  o de serviço terceirizados no exterior cresce 40% ao ano. Por aqui, o Brasil exporta, aproximadamente, US$ 300 mil em software um resultado extremamente tímido no rol dos emergentes.