Informativo eletrônico que amplia a compreensão do nosso principal foco: as pessoas, seus comportamentos e como elas evoluem.

APRENDENDO A DIALOGAR


13/04/2011

A construção de uma marca, no futuro, será muito parecida com a de uma relação pessoal. O consumidor quer opinar, escolher, criticar e sentir que é ouvido com interesse pelo outro lado. "A tônica do relacionamento entre marcas e consumidores no futuro será o compartilhamento", afirma Charlene Li, fundadora do Altimer Group. A principal dificuldade no compartilhamento é a perda do controle da informação. Antes do lançamento do novo Uno, fotos do carro vazaram na rede e a Fiat, em vez de negar, ficou acompanhando a repercussão. "As redes sociais funcionam como uma festa. É preciso se enturmar e entender as regras de convivência", explicou João Ciaco, diretor de marketing da empresa.

Além disso, os amigos são cada vez mais importantes nas escolhas e são consultados via smartphones ou tablets sobre o que pensam de determinados produtos. Em 2010, 86% dos usuários de internet no Brasil participavam de redes sociais, gastando cinco horas mensais nelas. A estimativa para 2020 é de que tenhamos 5 bilhões de usuários de internet em todo o mundo, com 70% nas redes sociais. O grande erro das empresas, segundo Li, é não ter uma estratégia de marketing social e um sistema de CRM como ferramenta para gerenciar contatos com os clientes.